terça-feira, 8 de março de 2011

Nutrição Esportiva: Cafeína? Pode!

Liberada da lista de doping, a cafeína avança em popularidade entre os atletas. Entretanto, é preciso cautela no consumo, sob o risco de problemas como insônia ou gastrite.

Rafael Borges - Pedal Digital

      A dieta de atleta fez nascer uma antiga rotina após o almoço para Rafael Borges, 28 anos. Assim que acaba de comer, o ciclista bebe logo uma xícara de café. Em um dia, esse número, em geral, passa de quatro doses. E só faz aumentar em época de provas, a ponto de Rafael mandar manipular cápsulas de 200mg de cafeína para obter um melhor desempenho.
"A cafeína estimula, aumenta o foco, e você fica mais ligado durante as provas. Os médicos não recomendam tomar em dias quentes, porque ela aumenta a temperatura corporal. Aí, em vez de tomar uma cápsula, tomo só uma xícara." _ Rafael Borges, ciclista.
      A substância é um estimulante do sistema nervoso central que, ao chegar à corrente sanguínea, atinge o córtex cerebral. Ela provoca efeitos como a redução da fadiga e a melhora da concentração e da capacidade do desempenho de atividades motoras. A cafeína, que já foi classificada como ilícita, não é mais proibida pela Agência Mundial Antidoping (Wada) desde 2004, quando seus efeitos foram considerados irrisórios no desempenho dos competidores.

      “Não existe fundamento científico que comprove que ela aumenta a performance. Ela pode incrementar a performance, com doses pequenas, como uma xícara de café. Mas, em doses altas, vai gerar um tremor e, na maioria dos esportes, o atleta precisa de uma mobilidade fina para desempenhar suas funções”, explica o Dr. Eduardo Henrique De Rose, diretor do Departamento Antidoping do Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

      “Não costumo receitar cafeína para os atletas porque ela vicia. Se você bebe muito café para obter um resultado, seu corpo se acostuma com ele e logo você precisa aumentar a dose”, afirma Cibele Basile Salomão, nutricionista. Ela indica a cafeína para aqueles que estão sem ânimo para realizar atividades físicas. Nesse caso, ela deve ser ingerida em forma de cápsulas manipuladas. Cada uma contém em média 200mg, mas a dose pode variar. “A gente manipula de acordo com o peso. Vai de 3mg a 10mg por quilo”, explica Cibele.

      A cafeína tem suas contraindicações. A pessoa que pratica exercícios à noite, por exemplo, precisa ingerir as cápsulas no período da tarde, para não sofrer insônia. Em pacientes com gastrite e úlcera, ela causa alta irritabilidade gástrica. A substância também aumenta sua capacidade de trabalho do coração, não sendo indicada às pessoas com problemas cardíacos.

 
 
Fonte: Super Esportes – Correio Braziliense  

Nenhum comentário:

Postar um comentário